Sentença do BC

Sonia Racy

20 de setembro de 2012 | 01h09

Com o STF condenando integrantes do Banco Rural por fraude, há quem diga que o Banco Central dormiu no ponto. Não é bem assim. O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional tem julgado proposições do BC contra o banco e funcionários. E uma delas, de 2004, surtiu efeito.

Kátia Rabello está inabilitada, desde 1º de agosto deste ano, a exercer qualquer função no mercado financeiro brasileiro. E já deixou o banco formalmente, fruto de decisão do “Conselhinho”.

Sentença 2

Como Kátia, José Roberto Salgado também tem de sair. Aguarda substituto. Bem como Ayanna Tenório – condenada pelo Conselhinho e absolvida pelo Supremo. Há um quarto nome no recurso 12454-070137310, do BC: o de Plauto Gouvêa, que já deixou o Rural.

Indagado, o banco informa: os condenados estão sendo afastados. Explica que os contratos celebrados no fim de 2004 – e questionados pelo BC no mesmo ano – são legítimos. E se deram em meio à crise do Banco Santos. Está recorrendo à Justiça.

A dúvida cruel: entre a ação do BC e o julgamento passaram-se oito anos. Por quê?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.