Senado não deve devolver Coaf a Moro

Sonia Racy

26 de maio de 2019 | 00h42

SÉRGIO MORO. FOTO: SEBASTIÃO MOREIRA/EFE

SÉRGIO MORO. FOTO: SEBASTIÃO MOREIRA/EFE

Não vira

A promessa de reviravolta para devolver o Coaf ao Moro – na votação que o Senado fará sobre a MP da reforma administrativa – não deve dar em nada, de acordo com fonte que atua no Senado.

Se houver quer alteração do texto da medida provisória, ela terá que retornar à Câmara – e ser aprovada em apenas seis dias, a partir da votação prevista no Senado, na terça-feira, 28. Data que Davi Alcolumbre pode adiar, deixando o prazo ainda mais exíguo.

Consta também, segundo a mesma fonte, que Alcolumbre deu seu aval à articulação da emenda que tirou o Conselho de Moro, ainda na etapa da comissão mista.

No aguardo

O desfalque de uma das cinco vagas da diretoria da Anvisa completou, domingo passado, dez meses. Sem sinal de indicação a vista.

Bolsonaro chegou a enviar ao Senado, em fevereiro, o nome do general Paulo Sadauskas, da Diretoria de Saúde do Exército. Mas… retirou a sugestão. Na era Temer, a então senadora Marta Suplicy travou a ida de André Moura, alegando que a indicação estava “fora dos critérios técnicos e éticos”.

Do Brasil!

A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Karim Aïnouz, – premiado na mostra no Festival de Cannes – já foi vendido para três países: França, Espanha e Alemanha.

Além do longa, outros dois filmes da RT Features, de Rodrigo Teixeira, aparecem na lista dos 10 melhores filmes de Cannes, publicados pela Hollywood repórter.

Leia mais notas da coluna:
+ Congresso sai ganhando nos dois possíveis desfechos de atos pró-Bolsonaro
+ Ismael Ivo, do Balé da Cidade, vai se filiar ao PSDB