Senado desengaveta PEC que muda regras para escolha de ministros do STF

Sonia Racy

12 de agosto de 2020 | 00h40

Com a proximidade da aposentadoria, em 1º de novembro, de Celso de Mello, foi desengavetada a PEC que muda as regras para escolha de ministros do STF. Ao que apurou a coluna, há chances de a proposta “passar” ante a ira de parlamentares contra, dizem, “super poderes” do Supremo. Se aprovada este ano só valerá, porém, em 2023.

Pela proposta, o mandato passaria a ser de 10 anos (e não mais vitalício) e o presidente da República teria que escolher dentro de uma lista tríplice – com nomes indicados pelo STF, PGR e OAB.

Governos do PT foram os que mais indicaram ministros – Lula, com oito, e Dilma, quatro. Celso de Mello foi indicado por… Sarney. E Marco Aurélio Mello, que se aposenta em 12 de julho de 2021, por… Collor.

Musica e cine

Em parceria com o irmão Pedro Paulo Rocha, a cantora Ava Rocha faz performance inédita, a Lunaar, no YouTube da Biblioteca Mário de Andrade, dia 17.

Sem volta

Heni Ozi Cukier conseguiu a liberação de R$ 800 mil do Estado para programa da Fundação Casa. É a primeira vez que a instituição consegue verba por meio de emenda parlamentar.

A Fundação investirá em programas de melhoria nos números de reincidência dos internos. Por meio do mecanismo, o dinheiro só é liberado caso a taxa de adolescentes que voltam para a entidade diminua.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: