‘Sempre foi assim’, diz Ísis Valverde sobre cultura do cancelamento

‘Sempre foi assim’, diz Ísis Valverde sobre cultura do cancelamento

Cecília Ramos e Marcela Paes

24 de fevereiro de 2020 | 17h51

ISIS VALVERDE NO CAMAROTE N.º 1.FOTO: CLAUDIA DANTAS

Vestindo um macacão prata colado e de cabelo cuidadosamente frisado, Ísis Valverde era uma das musas do Camarote nº1. Enquanto estava “na função”, o marido, o modelo André Resende, e a mãe, Rosalba Nable, a acompanharam no cercadinho. Ísis já foi convidada para ser rainha de bateria várias vezes, mas não topa por falta de tempo para se dedicar como gostaria. “Sou perfeccionista”, conta a mãe de Rael, de 1 ano e 3 meses.  “Eu não consigo delegar algumas coisas do meu filho e seria muito legal (conseguir)”. A atriz, no ar como Betina de ‘Amor de Mãe’, revela que este ano vai estar no cinema. A seguir, a entrevista.

Como foi sua preparação para o carnaval? 
Tem hora em que  a gente come um sanduíche, né? Essa época fica muito mais corrida (a mãe chega para oferecer comida à filha, que escolhe alguns pedaços de queijo). Vou ficar o carnaval todo aqui no Rio.

Seu filho completou um ano e você fez 33 semana passada. Como se vê nesta fase?
Sou perfeccionista, dedicada. Eu me divido para dar conta.  A mãe que trabalha, tem uma vida ativa, enfim, a gente tem que saber dosar,  entendeu? E tem que estar presente na vida do seu filho pra saber o que está acontecendo. Eu não consigo delegar algumas coisas do meu filho e seria muito legal (conseguir). Mas eu que cuido de tudo, cabelo, unha, a hora que ele toma banho, o que come. Então eu sei exatamente o que está acontecendo com ele mesmo não estando.

Está se falando muito em ‘cultura do cancelamento’, nas redes sociais, para isolar, em geral, figuras públicas que tenham feito ou dito algo que uma maioria não aprove.
Mas sempre foi assim. Não tinha ouvido falar nessa palavra. Amor, eu não tô sabendo nada do que está acontecendo…

Esse termo é recente…
Cara, eu já sofri alguns ataques. Normal… Tem pessoas que não sabem o que fazer e atacam os outros. Mas é engraçado que a gente está passando por um momento tão legal, que as mulheres estão com tanta sororidade que eu não precisei falar nada e elas vêm na frente e te defendem. E aquele episódio (Ísis viajou a trabalho sem o filho e foi criticada por tê-lo deixado com o pai) eu nem respondi (nas redes sociais). E eu fiquei assistindo aquele movimento lindo… Caraca, que legal isso.

Acha que o feminismo está ajudando nessa união? 
Ah, sim! Está muito mais avançado. A gente está andando muito mais à frente do que há cinco anos atrás, por exemplo. Por tudo, pelas atitudes das mulheres, pela união.

 
Como estão os planos de trabalho?
Depois da novela, vai ter cinema, mas só posso falar mais pra frente./CECÍLIA RAMOS E MARCELA PAES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: