Sem vontade

Sonia Racy

03 de junho de 2015 | 01h01

Indagado se estaria arrependido por ter deixado o STF em meio ao escândalo da Petrobrás, Joaquim Barbosa não titubeou, ao conversar no intervalo de uma palestra que deu, dias atrás, na Universidade Hebraica de Jerusalém.

Disse não ter “a menor vontade” de julgar o petrolão e que está, há cerca de um ano, “focado apenas na vida privada”.