Se não mudar, Previdência paulistana custará 32% da receita em 2025

Sonia Racy

20 Dezembro 2017 | 01h05

Se nada for feito na atual estrutura previdenciária de São Paulo, o déficit do setor vai chegar, em 2025, a R$ 20,8 bilhões – ou 32% da receita líquida do município. E sobra cada vez menos para saúde, educação ou obras.

Essa é uma das razões do empenho da Prefeitura para apresentar ontem – como antecipou o blog da coluna – o novo projeto de Previdência dos Servidores Municipais.

Outro dado para
medir o empenho

O empenho pela reforma se mede, na equipe de Doria, por este outro dado: enquanto os servidores, no novo texto, passam sua contribuição de 11% para 14%, a Prefeitura, como empregadora, se dispõe a subir a dela em seis pontos – de 22% para 28%.

Leia mais notas da coluna:

Prefeitura apresenta plano previdenciário sustentável

Jurista estranha demora nas resoluções do TSE