Se fosse candidata à presidência, Luiza Helena Trajano teria 4% das intenções de voto, de acordo com pesquisa da Genial/Quaest

Se fosse candidata à presidência, Luiza Helena Trajano teria 4% das intenções de voto, de acordo com pesquisa da Genial/Quaest

Sonia Racy

05 de outubro de 2021 | 16h36

A empresária Luiza Helena Trajano. Foto: Divulgação

Se Luiza Helena Trajano decidisse hoje sair como candidata a Presidência da Republica, teria nada menos que 4% das intenções de voto, de acordo com  pesquisa quantitativa feita pela Quaest Consultoria -encomendada pela Genial Investimentos.

A enquete foi feita com 2048 entrevistados, entre 30 de setembro e 3 de outubro, que responderam à pergunta de intenção de voto no primeiro turno.

O mesmo montante que Eduardo Leite, mais votos que Rodrigo Pacheco (3%) e pouco menos que Doria (6%) e Mandetta(6%).

Para Felipe Nunes, da Quaest, o número é significativo. E tem maior peso ao se constatar que entre os 11 nomes colocados no levantamento, o de Luiza Trajano tem taxa baixíssima de rejeição, apesar do alto desconhecimento (62%) entre os entrevistados.

“É muito difícil, em qualquer eleição, reverter índices de rejeição”, explica o pesquisador. “Quem define sua rejeição já decidiu pelo menos em quem não vai votar”, explica.

Bolsonaro hoje lidera a lista da rejeição, com 65%, seguido de Doria (61%,), Sergio Moro (59%), Ciro Gomes (56%), Datena (52%), Mandetta (46%), Lula (43%), Rodrigo Pacheco ( 39%), Eduardo Leite (30%) e Luiza Trajano (26%).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.