Saudades do cofre cheio

Redação

06 de fevereiro de 2009 | 06h00

O cobertor do BID anda curto demais para tanto pedido de ajuda dos países do continente, e a direção não teve outra saída: convocou grupo de notáveis para estudar a recapitalização do banco e adequá-lo à nova realidade. Antonio Palocci é um dos convidados para a missão, ao lado de Michel Camdessus, ex-diretor-gerente do FMI, e do peruano Pedro Pablo Kucinsky.

O Brasil é um exemplo típico dessa carência: já chega a US$ 8 bilhões o total de empréstimos pedidos. O BID só vai poder liberar US$ 3 bi. O aperto é o mesmo nos vizinhos.

O difícil é fazer os países-membros concordarem com a proposta – afinal, o dinheiro sairá do orçamento de cada um.

A reunião decisiva será no fim de março, em Medellín.

Leia outras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.