Santapele entra no varejo

Santapele entra no varejo

Sonia Racy

18 de agosto de 2020 | 00h45

CAROL FILGUEIRAS – FOTO: DENISE ANDRADE/ESTADÃO

Depois de anos operando dentro dos hotéis Emiliano, a Santapele – marca de produtos de pele – abriu showroom/escritório nos Jardins. “Íamos inaugurar no dia 24 de março, com festa. Mas tivemos que adiar, por causa da pandemia. Agora, abrimos o espaço com horário bem reduzido como determinam as regras”, conta Carol Filgueiras – também sócia do Emiliano.

A empresária fez administração na FGV, ficou 15 anos fora do Brasil estudando e trabalhando. Bateu saudades, em 2013, largou tudo e voltou. Com um irmão à frente dos negócios da família, Carol assumiu o gerenciamento dos SPAS dos hotéis e batizou os produtos criados pelo pai Carlos Filgueiras –, morto em acidente de avião em Paraty em 2017 – de Santapele. “Sempre me interessei por cuidados da alma e do corpo, mas foi em 2018 que comecei a construir a história da marca. Segundo Carol, os produtos até então não eram naturais. Ela mudou a formulação e estabeleceu, entre outras, que esses não fossem testados em animais.

Por que quis levar os produtos exclusivos do Emiliano, distribuídos pelos quartos dos hotéis, para o varejo? “Decidi levar a Santapele para o potencial que acredito que ela tem”.

Fez acordos com a Amazon, pontos de venda no Rio e SP. Mais recentemente, fechou com a Rappi. A produção é terceirizada e acompanhada com mão de ferro. A pandemia atrapalhou o modelo de lançamento, mas não as vendas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: