Samba, suor e… vassouras

Sonia Racy

07 de março de 2011 | 23h00

Enquanto celebridades ocupam cada vez mais espaço na Sapucaí para desfilar, assistir a evolução das escolas, tirar fotos e fazer contatos, muita gente da comunidade aproveita o carnaval para… trabalhar.

É o caso de Maria Auxiliadora – que, como todos os entrevistados aqui, preferiu não divulgar o sobrenome. A enfermeira mangueirense optou por assistir em vez de desfilar pela sua escola de coração na avenida. Motivo? Complementar a renda familiar fazendo bico como faxineira no camarote da Devassa. “Achei mais vantagem no momento. Depois eu volto. E sobre o carnaval em si, percebo que as pessoas, de um modo geral, estão mal educadas”, avalia.

Denielle, que cuida da limpeza do camarote rival, o da Brahma e é frequentadora dos ensaios do Salgueiro, contou à coluna que não se importava com “o tal ator de Hollywood” que acabara de passar cercado por seguranças e que quase a derrubou no chão. “Menina, bonito mesmo é aquele delegado de Os Mutantes (Juan Alba, da novela da Record). Passo mal com ele.”

Aliás, entre os que trabalham no camarote, Jude Law causou bem menos frisson do que o unânime Ronaldo Fenômeno. Até o ator tietou o craque: pediu que o brasileiro fosse encontrá-lo no camarim. E os dois trocaram figurinhas sobre Londres, como se pode conferir acima.

Além de Jude, quem também estreou na Sapucaí foi seu Damião. Com a ajuda de uma cunhada, ele, que nos anos anteriores assistia a festa pela televisão, conseguiu vaga de garçom no camarote da Brahma. E dá um bom argumento para estar ali a trabalho: “Quando o carnaval terminar, vai estar todo mundo duro e eu cheio de dinheiro”, gargalha, revelando que já tem planos de trocar a TV.

Dentre as funcionárias mais antigas está Flávia Cristina, da Devassa. Há dez anos trabalha em “controle” do camarote. O que é controle? “Manter a ordem”. Sua opinião é a de que a folia está menos alegre: “Os foliões não brincam como antigamente”, afirma. Para ela, “parecem soldadinhos de chumbo desfilando”.

Barman há quatro anos, Rui também concorda: “Às vezes nem parece carnaval. Não toca marchinha nem nada”. E os famosos? “Não sei se gostam tanto de samba”.

Ao seu lado no camarote, Caetano Veloso, que sabe sambar, sim, preferiu levantar o filho Tom nos ombros para ovacionar Ronaldinho Gaúcho que também desmente Rui. Saiu em duas escolas: Portela e Mangueira.

/DÉBORA BERGAMASCO E MARÍLIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.