Salvar só o Citi não resolve

Redação

28 de fevereiro de 2009 | 06h00

O Citigroup e o Tesouro dos EUA fecharam ontem acordo para troca de ações que não implica em colocar mais recursos do governo na instituição financeira. A intenção desse pacto é recuperar a confiança no banco.

Com isso, tem gente no mercado que teme pelos outros bancos americanos, que também costuram operações do mesmo tipo. Ao dar seu “aval” à operação do Citi, Barack Obama, nas entrelinhas, “garantiu” o banco. Mas, se ele não andar rapidamente com a ajuda aos demais, vai acabar criando um perigo novo: a clientela pode querer migrar para o Citi, agora mais seguro, aprofundando a falta de liquidez de outras instituições já combalidas.

Entre outras, teria sido por essa razão que o acordo demorou tanto para sair.

Leia outras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.