S.O.S.

Sonia Racy

16 de outubro de 2013 | 01h05

Dirigentes de entidades médicas de todo o mundo – entre elas o Conselho Federal de Medicina do Brasil – redigiram carta aberta ao governo sírio, pedindo que cessem os ataques a hospitais e ambulâncias.

Segundo a ONG Crisis Action, que organiza o movimento, 37% dos hospitais sírios foram destruídos e outros 20% foram danificados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: