Risco de perder Major Olímpio preocupa o PSL

Sonia Racy

29 de agosto de 2019 | 00h45

MAJOR OLIMPIO. FOTO: GABRIELA KOROSSY/CÂMARA DOS DEPUTADOS
OLIMPIO. FOTO: GABRIELA KOROSSY/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Risco à vista

Se a ida de Alexandre Frota para o PSDB não provocou abalos no PSL paulista, a eventual saída do senador Major Olímpio provocaria um terremoto de bom tamanho. A revelação de que ele pensa em deixar o PSL foi feita ontem pelo Estadão.

Aborrecido por ter sido afastado da direção do PSL, o senador tomou café da manhã, ontem, com Álvaro Dias, que comanda o Podemos.

Risco 2

Olímpio é visto n o partido, segundo apurou a coluna, como um dos poucos políticos experientes do grupo – e foi o único a percorrer o interior paulista apertando mão de prefeitos, inaugurando diretórios, fazendo mutirões de filiação e dividindo a contento a verba de emendas. Ou seja: tem a máquina partidária na mão.

Também quero

Gil Diniz, líder do PSL na Assembleia, entrou na lista de pré-candidatos à Prefeitura, disposto a disputar prévias com Joice Hasselmann. “Conheço São Paulo mais que ela. Será que ela  sabe onde fica Parelheiros?”, provocou o deputado ao falar à coluna.

Ao que Joice retrucou: “Tadinho desse menino. Não faz ideia do que diz”.

A regra e o cofre

Caciques do PSB fizeram suas contas: não há quórum na Executiva para expulsar os 11 deputados que desobedeceram ao comando da sigla e votaram a favor da reforma da Previdência.

Pela regra em vigor, com as expulsões o partido perderia R$ 37 milhões do Fundo Eleitoral para 2020 – queda de 18% na verba de campanha.

O cofre 2

No PDT, há outros oito parlamentares que votaram a favor da nova Previdência, também sujeitos à expulsão. Na hipótese de isso ocorrer também entre os pedetistas, o prejuízo chega a R$ 27 milhões.

Tecno-sociologia

Homem, branco, jovem e de classe média ou alta. Este é o retrato das equipes de tecnologia das empresas brasileiras, de acordo com a pesquisa Quem Comanda o Brasil? – a ser divulgada hoje pela PretaLab.

Entre os entrevistados, 21% informam que em suas equipes não há nenhuma mulher – e 32% disseram não haver pessoas negras ou pardas no grupo, embora estas representem 54% da população do País.

Pela arte

O leilão em prol do Instituto de Arte Contemporânea, fundado por Raquel Arnaud, arrecadou, na segunda- feira, cerca de R$550 mil. O dinheiro vai financiar a mudança para um novo prédio em novembro e ainda despesas como transporte das obras e aquisição de cofres blindados para novos acervos.

Entre as obras arrematadas estão uma escultura de Sergio Camargo (R$250 mil), um relevo de Iole de Freitas (R$85 mil) e um desenho de Waltercio Caldas (R$40 mil).

Pela arte 2

A reforma do local é assinada por Felippe Crescenti e a instituição já conta com 46 mil documentos digitalizados. Nos plan os do IAC esse o volume será triplicado com a chegada de vários novos acervos.

 

Leia mais notas da coluna:
+Pressão de tucanos paulistas faz Aécio insistir em ficar no PSDB
+‘Butantã vai fornecer vacinas de gripe para a OMS’

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: