Respire fundo

Sonia Racy

12 Setembro 2015 | 00h43

Ante as obras do Museu do Amanhã, no Rio, o Santander se prepara para fazer a compensação das emissões de carbono da instituição.

Investiu R$ 65 milhões no projeto e será mantenedor do museu até, pelo menos, 2025.

Detalhe: o grupo de Ana Botin já faz a compensação de toda sua operação no País.