Relação Brasil-EUA ‘é uma relação entre Estados’ e não há por que mudar, diz consul americano

Relação Brasil-EUA ‘é uma relação entre Estados’ e não há por que mudar, diz consul americano

Sonia Racy

09 de novembro de 2016 | 09h28

DANIELA RAMIRO / ESTADÃO

DANIELA RAMIRO / ESTADÃO

As relações entre Estados Unidos e Brasil  “vivem hoje um bom momento, são orientadas pela busca de interesses comuns entre dois Estados, e não vemos por que isso possa mudar, independentemente do candidato que vença e suceda ao presidente Obama”.

Assim o cônsul-geral americano Ricardo Zuniga comentou ontem à noite, para a coluna — quando a apuração estava começando –, as perspectivas diplomáticas e o significado da eleição daquele país, que nesta madrugada levou à vitória do republicano Donald Trump contra sua rival democrata Hillary Clinton.

Zuniga participou, na Câmara Americana de Comércio, de uma “noite da eleição americana” em que um salão lotado acompanhou, em vários painéis, a contagem dos votos nos EUA. Ele mencionou o acordo comercial sobre tráfego aéreo, a questão climática e o diálogo continental, entre outros temas, como “exemplos de uma ação comum que está sendo retomada e deve prosseguir” entre o Planalto e a Casa Branca.

Tendências: