Redução ministerial terá impacto limitado nas contas públicas

Sonia Racy

04 de novembro de 2018 | 01h00

JAIR BOLSONARO

JAIR BOLSONARO. FOTO: IGO ESTRELA/ESTADÃO

Servidores do ministério do Planejamento acreditam que a redução ministerial de Bolsonaro – que quer cortar de 29 para 15 o número de instituições com status de ministério – terá impacto limitado nas contas públicas. Por dois motivos.

Primeiro, quando um ministério é extinto, apenas suas áreas administrativas deixam de existir. Elas fazem coisas como consultoria jurídica, compras, contratos e orçamento. Os demais cargos são abraçados por outra estrutura.

Segundo, muitas dessas áreas administrativas são ocupadas por servidores de carreira. Ou seja, eles vão apenas perder a função administrativa e o adicional que recebem por desempenhá-la. Mas continuam servidores.

Para cortar a maioria dos cargos de direção, os DAS, Bolsonaro terá de levar a faca à própria Presidência. Que possuía, em setembro, 1.815 cargos – cerca de 20%.

Ministérios que podem “caducar” no novo governo, como o de Cultura e o de Meio Ambiente, têm 421 e 521 cargos do tipo, respectivamente.

Leia mais notas da coluna:
Moro na Justiça pode repetir trajetória de Alexandre de Moraes
Bettamio não recebeu convite para assumir BB

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonaro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: