Rede Six Senses vai abrir primeira unidade brasileira, no Botanique Hotel

Rede Six Senses vai abrir primeira unidade brasileira, no Botanique Hotel

Sonia Racy

07 de novembro de 2020 | 00h55

Fernanda Ralston Semler. Foto: João Viegas

A crise da pandemia, de graves reflexos no setor turístico, não impediu Fernanda Ralston Semler de jogar suas fichas em uma grande mudança. Ela acaba de fechar negócio com a rede de spas Six Senses para montar a primeira unidade da marca no Brasil, no Botanique Hotel & SPA – fundado em 2012 perto de Campos do Jordão. “Foi uma união de forças que fez todo sentido” – no caso, duplo, visto que a tradução da palavra senses é sentido. “Quando as fronteiras do mundo se abrirem, acredito que frequentadores estrangeiros da cadeia vão se animar e vir para cá”, diz. A empresária se muda para San Diego com a família para fazer sua curadoria do conceito do pós-luxo. Ela conta que ainda tem 80% do Botanique, continua como proprietária e também como membro do conselho. Mas a gestão do hotel ficará por conta da rede. Fernanda não fala em números, mas atesta que o investimento feito pela marca é “substancial”. Leia abaixo trechos da entrevista.

É arriscado hoje trazer uma nova rede para o Brasil?
O namoro com a Six Senses é antigo. E, curiosamente, o Botanique, depois da reabertura, está no melhor ano da sua história. Na flexibilização, começamos com 20%, 40% de ocupação e foi lotando… O tipo de turismo que nós oferecemos, o de isolamento, faz sentido neste momento.

O turismo será muito diferente no pós- pandemia?
Tenho certeza. As pessoas estão dando valor pra um novo tipo de luxo. Essa história de você ostentar, de você estar com a galera, essa coisa de ver e ser visto, é uma coisa datada, é um luxo fútil. O luxo de experiências – com acesso à coisas como o silêncio, água mineral e natureza – já estava muito forte. E o interessante agora é a frequência dos mais jovens. Meu maior público hoje tem entre 25 e 45 anos.

Qual foi a adaptação em tempos de distanciamento social?
Além da proteção básica com máscara, faceshield e álcool em gel, no Botanique, compramos também máquinas de ozônio para os quartos, salas de massagem e sanitários. A rigidez nos protocolos deve permanecer mesmo depois da vacina.

Com está nova administração, haverá expansão?
Sim, nós vamos de 18 para 34 quartos, por meio de investimentos feitos pela Six Senses. Também teremos o Six Senses Residence, com casas construídas em volta do hotel mas sem formação de condomínio. Vamos aproveitar parte da área de 80 mil metros quadrados dentro de 1,2 milhão de metros quadrados de mata preservada. Creio que em janeiro a bandeira já mude para… Six Senses Botanique. /MARCELA PAES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: