Rede entra com Adin contra norma da Câmara

Sonia Racy

13 de janeiro de 2019 | 00h55

MARINA SILVA

MARINA SILVA. FOTO: JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO

Liquidada anteontem, por Toffoli, a questão do voto secreto para eleições na Camara e Senado, nova polêmica desembarca no STF. A Rede de Marina ajuizou na corte uma Adin contra norma da Câmara que a impede de nomear liderança partidária.

O problema é que a legenda caiu na cláusula de barreira – não elegeu o número mínimo de parlamentares. Mas a equipe de Marina entende que a Constituição só a impede, no caso, de receber os recursos do fundo partidário.
Sem nomear lideranças, a Rede terá de demitir pessoal.

Leia mais notas da coluna:
+ MP decide investigar se André Sturm violou princípios ao afastar o Odeon do Municipal
Advogados ‘terão de se manter vigilantes’, diz criminalista

Mais conteúdo sobre:

Rede [Rede Sustentabilidade]