Rali dos Sertões instalará unidades de teleatendimento médico para moradores de área do percurso

Rali dos Sertões instalará unidades de teleatendimento médico para moradores de área do percurso

Sonia Racy

20 de outubro de 2020 | 00h52

Joaquim Monteiro. Foto: Haroldo Nogueira

Desde 2013, é tradição da equipe responsável pela organização do Sertões – maior rali das Américas e segundo maior do mundo – levar ajuda médica a quem precisa no trajeto percorrido pela disputa.

Este ano, em função da pandemia – pensou-se, inclusive, em cancelar a prova, segundo seu dirigente, Joaquim Monteiro de Carvalho – a equipe da corrida resolveu manter o evento e fez diferente: decidiu ampliar sua assistência de saúde e nada menos que 16 especialidades médicas chegarão a locais desassistidos por meio da telemedicina moderna.

Em parceria com o SAS Brasil – grupo liderado pela médica emergencista Adriana Mallet – a organização está instalando cinco unidades de teleatendimento no percurso traçado. Cada um destes contêineres contará com uma cabine ampla e acesso à internet.

As cinco primeiras unidades serão instaladas em comunidades com menos de 30 mil pessoas e IDH menor que 0,7. “Elas permanecerão atendendo por um ano”, informa Monteiro de Carvalho, estimando 500 teleatendimentos por mês após o término da competição.

Cestas básicas também serão distribuídas ao longo da prova. “O Sebrae mapeou os pequenos produtores locais, de quem vamos comprar os produtos, e a União BR cruzou dados e mapeou as famílias em estado de vulnerabilidade que ganharão a cesta”, diz.

Serão cerca de 1500 pessoas trabalhando na 29ª edição do rali, “uma redução de 20% em comparação ao ano passado”, explica o empresário. O numero de pilotos permanece o mesmo de 2019, pouco mais de 300 inscritos.

Em tempos de eventos “congelados” por causa da pandemia, como é colocar de pé uma corrida deste tamanho? “A Mitsubishi nos patrocina há 17 anos, a Honda há nove anos e entraram outros patrocinadores”, contabiliza Monteiro. Entre eles, a Líder Taxi Aéreo e a francesa Motul.

E como garantir a saúde de todos os participantes em tempos de covid-19? Segundo o empresário, o rali se deslocará em sistema de bolha, “largamos do meio do nada e chegamos a lugar nenhum”, diferente dos moldes dos últimos 28 anos, quando a forma era a de cidade em cidade.

 As Vilas Sertões serão montadas em locais isolados, com acesso restrito apenas aos credenciados testados com exame PCR. Equipes, competidores, staff, corpo médico e imprensa ficarão concentrados dentro dessas “bolhas”, em acampamentos e motorhomes.

O Sertões, criado pelo empresário Marcos Moraes, parte dia 30, de São Paulo, e percorre 5 mil km até Barreirinhas, nos Lençóis Maranhenses. Aviso: quem desrespeitar o isolamento estabelecido está fora da competição

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: