Raio X

Sonia Racy

13 de julho de 2012 | 01h09

Mutirão feito pela Defensoria Pública em cadeias femininas do Estado detectou situação alarmante. Mãe e filha, acusadas de matar a amante do pai, ficaram presas por seis anos sem julgamento.

A primeira acaba de ser solta e aguarda, em liberdade, júri finalmente marcado para… depois da Copa de 2014. A outra permanece encarcerada.

Defensores estimam que, mesmo se pegarem pena máxima, as duas rés (primárias) dificilmente ficariam mais de seis anos detidas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.