Raio X

Sonia Racy

22 de fevereiro de 2011 | 23h11

Hadi Ghaemi está no Brasil com objetivo de articular apoio para que o País condene as violações de direitos humanos praticadas pelo governo iraniano. Diretor da International Campaign for Humans Rights in Iran, ele traz debaixo do braço dados impressionantes levantados pela organização. Os números, obtidos pela coluna, mostram que a situação tem se deteriorado desde que Mahmoud Ahmadinejad subiu ao poder.

Segundo a pesquisa, 94 pessoas foram condenadas à morte no primeiro ano do seu governo, em 2005. Cinco anos depois, o número saltou para… 542. Entre 20 de dezembro de 2010 e 31 de janeiro de 2011, 121 pessoas foram enforcadas (incluindo três opositores do governo), uma média de execução a cada três dias.

E mais: além de 24 defensoras de direitos humanos terem sido presas, Ahmadinejad introduziu medidas discriminatórias contra mulheres. Exemplo? Cota fixa em universidades. E mais. A ONG Jornalistas Sem Fronteiras considera que o país abriga a maior prisão da categoria: 37 estão presos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.