Quase um terço de adolescentes diz ter sofrido bullying nas escolas de SP

Quase um terço de adolescentes diz ter sofrido bullying nas escolas de SP

Sonia Racy

03 de fevereiro de 2020 | 11h04

 

Levantamento feito entre estudantes de 119 escolas públicas e privadas de São Paulo aponta que pouco menos de um terço deles, 29%, disseram ter sido vítimas de bullying no ano anterior. Outros 23% informam ter sofrido algum outro tipo de violência que não se enquadra na definição de bullying. A pesquisa, divulgada na manhã desta segunda-feira pela Fapesp — que ajudou a patrociná-la –, foi conduzida por grupos da Faculdade de Medicina da USP e ouviu 2.702 alunos do nono ano, com idades próximas a 14 anos.

A forma mais frequente de bullying, segundo o estudo, coordenado pela professora Maria Fernanda Peres, foi o psicológico ou verbal (ofensas e risos), com 17,5%. Outros 6% afirmaram ter sofrido bullying de conotação sexual e as agressões físicas foram mencionadas por 3,7%.

O estudo informa, ainda, que 15% dos jovens admitiram ter praticado bullying com colegas – número que, só entre meninos, chega a 19%. Como explicou a coordenadora Peres, que atua no Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP, “a ideia é obter subsídios para o desenvolvimento de programas de prevenção centrados principalmente nas escolas”. Além da FAPESP, financiaram o projeto a Academia Britânica e o Fundo Newton.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.