Quartos vazios

Sonia Racy

23 de abril de 2014 | 01h07

A 50 dias da Copa, os números do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil para os jogos não são nada animadores. Principalmente no que se refere à ocupação de quartos na cidade de SP, onde acontece a abertura do Mundial. “Ainda temos disponibilidade de 59%”, lamenta Julio Serson, vice-presidente da entidade.

Normalmente, os hotéis trabalham com apenas 10% de ociosidade no mês de junho, em Sampa. “Os executivos sumiram das reservas, e o volume de torcedores de fora não é suficiente para substituí-los.”

Quartos 2

E há chance de ficar pior. No domingo, venceu o prazo da Fifa para confirmação de reservas e devolução de tudo que a entidade não usará. Para se ter uma ideia do que isso pode significar, em alguns lugares a federação é responsável por até 60% das reservas.

A nova lista pós-Fifa sai no fim de semana.

Quartos 3

No Rio, a história é inversa: só há 9% de quartos vazios. Também bonita na foto está Cuiabá, com 17%. Depois vêm Fortaleza (20%), Porto Alegre (21%), Manaus e Belo Horizonte (23%), Brasília (24%), Recife (29%), Salvador (30%) e Curitiba (41%).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.