Publicitário usa esporte para ensinar valores

Publicitário usa esporte para ensinar valores

Sonia Racy

19 de julho de 2019 | 00h40

RAFAEL BARAJAS. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

RAFAEL BARAJAS. FOTO: ARQUIVO PESSOALA paixão do publicitário Rafael Barajas por esportes, especialmente futebol, se transformou em propósito de vida. Há três anos ele concilia as atividades de publicidade com seu projeto pessoal – o Play FC. De que se trata? De uma empresa que organiza um dos maiores campeonatos de futebol escolar amador do País. O foco da plataforma criada por Barajas é atuar como ferramenta de educação e transformação de meninos e meninas com idades entre 7 e 17 anos. Todos estudantes, seja de escolas públicas ou privadas de São Paulo. A quinta edição do Play FC acontece entre agosto e novembro, reunindo mais de cinco mil alunos em um complexo de quadras society em São Paulo.

Objetivo? Os valores do esporte. E ensinar a essa meninada que eles são os mesmos valores que permeiam a vida. “Queremos formar cidadãos melhores. Não trabalhamos com futebol de alto rendimento, não revelamos e nem vendemos jogadores e também não gerenciamos carreiras. Queremos plantar uma semente positiva na cabeça das crianças e famílias por meio do futebol amador”, explica o empresário.

Barajas foi educado sob a disciplina do esporte e tem certeza de que isso pautou toda a sua vida adulta. Jogou futebol por quase 30 anos, foi integrante da seleção brasileira juvenil de rugby e praticou hipismo. Hoje, corre e nada quase todos os dias, além de já ter concluído três maratonas e duas edições do Iron Man. A ideia foi usar sua experiência para criar um negócio que, de alguma forma, entregasse algo para a sociedade por meio do esporte.

São oito os valores estabelecidos pelo Play FC: lealdade, honestidade, foco, disciplina, persistência, superação, respeito e educação. E, dentro de campo, esses ensinamentos são colocados em prática, para se aprender a ganhar e a perder, tendo responsabilidade e comprometimento e trabalhando sempre em equipe. “A questão da responsabilidade, por exemplo, é muito importante, ressalta. A criança não pode chegar atrasada ao jogo. Se ela chegar, não joga. Tem gente que acha a atitude dura. Mas quando ele for adulto, se chegar atrasado ao aeroporto vai perder o voo”, exemplifica.

Além dos campeonatos, o Play FC também organiza atividades fora de campo para conscientizar as crianças sobre a similaridade entre os valores do esporte e os da vida. Exemplo: doação de chuteiras pelos próprios participantes. Os das escolas particulares repassam para os das escolas públicas.

Leia mais notas da coluna:
+ PT entra com ação e possibilita que Toffoli determine investigação de Deltan
Paulo Guedes elogia criação, no Senado, de PEC separada para Estados e municípios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.