Procura-se? Não.

Redação

11 de novembro de 2008 | 08h05

O economista José Alexandre Scheinkman notou mudanças em Princeton, onde leciona: os recrutadores de talentos para Wall Street andam sumidos. “Recebíamos doações desses recrutadores, que levavam os melhores alunos. Até agora, nada.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.