Previsões para o ano que se aproxima (1)

Sonia Racy

29 de dezembro de 2011 | 23h02

Cartas, búzios e astros são categóricos: o mundo não acabará em 2012. Mas sofrerá com desastres naturais e corrupção. Quanto à economia mundial, como se comportará neste ano que se aproxima? Será que o Brasil descobrirá mais falcatruas? E o País nas Olimpíadas de Londres? Convidados preveem as transformações que virão com o novo calendário.

CACÁ NOGUEIRA
Astrólogo

O que significam as previsões do povo maia? O mundo vai mesmo acabar em 2012?
O mundo não vai acabar! O que está acabando são antigas e infundadas crenças, valores, estruturas, o fanatismo religioso, os ditadores que exploram seu povo. Tais como os da Líbia e do Egito, entre outros. Também a corrupção no mundo dos negócios e na política, o sistema financeiro arcaico e manipulador, refletindo num mundo de grandes desigualdades sociais. A população do planeta estará despertando de seu estado de dormência com relação a seu poder de atuação e a necessidade de assumir suas responsabilidades.

O alinhamento galáctico terá impacto na vida das pessoas? E no meio ambiente?
Sim. A profecia maia indica que, entre os anos de 1999 e 2012, uma luz emitida do centro da galáxia sincronizará todos os seres vivos e permitirá que, voluntariamente, iniciem uma transformação interna que produzirá novas realidades. Junto com isso, um aumento da irradiação solar do nosso sistema afetará a rede elétrica, gerando muitos transtornos no nosso mundo tecnológico.

São previstos desastres naturais no Brasil?
Sim, lembrando que as maiores consequências se deverão à má utilização do solo. Além disso, erupções vulcânicas, terremotos, tsunamis e deslizamentos devem ocorrer intensamente nos próximos cinco anos.

Dilma enfrentará muitas crises em seu governo?
Muitas. Tanto internas quanto externas. A corrupção, que é um mal crônico no Brasil, estará sendo o foco de muitos escândalos. Cada vez mais, a presidente terá de sair da sombra e se colocar mais claramente nos episódios de seu governo.

Lula voltará a todo vapor no cenário político?
Ele sempre foi o maior cabo eleitoral do PT e se tornou um ícone na política brasileira, mas atravessará um ano difícil – tanto na saúde quanto politicamente. Sua força estará reduzida e, consequentemente, seus candidatos não conseguirão bons resultados nas urnas.

Qual sua mensagem para o ano de 2012?
Os humanos receberão muita energia, aumentando seu campo vibratório, propiciando a abertura dos nossos corações para aquilo que é essencial e verdadeiro. Muitos acontecimentos indicarão que tudo que estiver numa energia ruim, como a desonestidade, os abusos de poder, crimes e tantas outras distorções negativas do ego humano, encontrarão seus dias de inferno. Devemos acordar e começar a agir individualmente, conscientes de que temos a responsabilidade por nossas vidas, realizações, alegrias, saúde, relacionamentos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.