“Pressionado? Eu?”

“Pressionado? Eu?”

Redação

08 de novembro de 2008 | 06h00

Foto: Pedro Venceslau


Em plena artilharia sobre a Lei da Anistia, José Antonio Dias Toffoli, da AGU, circulou tranquilo em seu aniversário de 41 anos. Comemorado ao lado de Cauby Peixoto, entre outros, no Bar Brahma em São Paulo. Questionado sobre a pressão de parte do governo para alterar o parecer da AGU, segundo o qual torturas cometidas no regime militar estão perdoadas pela Anistia, o advogado-geral respondeu: “Estou com cara de quem está sendo pressionado? Estou com cara de quem está bem ou mal?”. E a reunião com Lula, para tratar do tema? “Não comentamos esse assunto. Foi uma reunião de rotina.”

Ao lado de colegas de faculdade, juízes e advogados, Toffoli foi lacônico sobre a polêmica, conversa obrigatória de todas as mesas. “Eu entendo que a lei vale para ambos os lados. É inoportuno remexer nessas questões agora porque traz à tona algumas chagas”, fez coro Suzana Camargo, desembargadora do TRF.

Toffoli, de camista-latenjoulas e jeans, gabava-se de ser o “segundo ministro mais jovem, atrás de Orlando Silva”. Entre os convidados, Marco Antonio Bologna, da W/Torre. Ausência notada: José Dirceu.

Por Julia Duailib e Pedro Venceslau

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.