Presidente da Eletrobrás explica como manter a estatal no governo

Sonia Racy

19 Abril 2018 | 01h00

WILSON FERREIRA

WILSON FERREIRA. FOTO: DIVULGAÇÃO

Muita gente está se perguntando: afinal, a Eletrobrás vai ser privatizada ou vai ter um aumento de capital, como defendeu anteontem o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun?

Segundo explica Wilson Ferreira, presidente da estatal, a Eletrobrás vale hoje algo como R$ 30 bilhões. A União tem 60% dela – posição acionária de R$ 18 bi. “Faremos um aumento de capital (follow on) de R$ 12 bi para pagar as novas outorgas para descotizar nossas 14 hidrelétricas”, explica.

Eletrobrás passa
a valer 42 bilhões

Assim, a Eletrobrás passa a valer R$ 30 bi mais R$ 12 bi, ou seja R$ 42 bi. Sem o governo vender uma só ação. E continua com R$ 18 bilhões, mas de uma empresa que agora, pós-capitalização, vale R$ 42 bi.

União não perde
nenhum centavo

Com essa operação passiva do governo federal, a União, que tinha 60% do R$ 30 bi, passa a ter, segundo Ferreira, 43% de uma empresa que vale R$ 42 bi. Não perde um centavo e ainda fica com uma golden share.

Isto é, o poder de veto.

Leia mais notas da coluna:

O que há é ‘o início de um processo’, diz Goldman sobre Aécio

‘Não se deve romantizar os terroristas’, diz rabino de Entebbe