Presidente da CPI da Merenda propõe que trabalho da comissão continue em julho, mas sem oitivas

Sonia Racy

30 de junho de 2016 | 10h37

O presidente da CPI da Merenda na Alesp, Marcos Zerbini (PSDB) colocou na manhã de hoje votação da proposta de manter ou não o trabalho da comissão funcionando no mês de julho — mês em que a Assembleia Legislativa entra em recesso. A proposta não foi aceita pela oposição.

O deputado informou que, caso fosse aprovado a proposta, só começaria a fase de oitivas das pessoas que podem contribuir para a investigação após o recebimento de documentos solicitados  à polícia e à pasta da Educação. Ou seja, o tempo seria contado para aguardar o envio de documentos requeridos — que poderia levar entre 15 e 20 dias.

A oposição não concordou com a proposta já que uma CPI tem 120 dias para ser concluída e, sem poder recolher depoimentos e fazer acareações, não haveria trabalho de fato. O PT pediu vista da proposta apresentada e os trabalhos da comissão só voltarão dia 1 de agosto.

PSDB

Segundo a assessoria de comunicação da liderança do PSDB na Alesp, o deputado Zerbini não condicionou o funcionamento da CPI em julho com as oitivas. Ele apontou que, por conta do combinado de se fazer as oitivas depois do envio dos materiais requisitados – de acordo com os já aprovados requerimentos em 28 de junho –, possivelmente o tempo de julho seria gasto na expectativa desse material e que tal período seria perdido.

 

Atualizado às 19h17 do dia 30/6/2016.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: