Presas de São Paulo estão produzindo máscaras “face shield”

Sonia Racy

09 de maio de 2020 | 00h04

Presas da Penitenciária Feminina de São Paulo estão produzindo e montando o protetor facial “face shield” – aquele que cobre todo o rosto –, além das máscaras reutilizáveis. Agora, com a chegada de reforço de máquinas automatizadas, vão poder dobrar a produção diária.

Dos atuais 60 mil para 120 mil unidades.

O produto está sendo vendido por meio da Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel. Quanto? R$ 0,80 a de TNT e R$ 12 a face.

Outras sete penitenciárias do Estado conseguiram atingir, esta semana, 1,5 milhão de máscaras descartáveis.

Mundo novo

O valor de mercado do Zoom, segundo um ex-banqueiro – ele hoje voltou a ser violonista – é quase 50% maior do que a soma do valor de cinco grandes empresas aéreas.

O sistema de videoconferência está cotado a US$ 44 bilhões e Air France, United Airlines, Lufthansa, American Airlines e Delta Airlines juntas…US$ 30 bilhões.

Segue o líder?

Entre o marca e desmarca do churrasco de Bolsonaro, previsto para hoje, no Alvorada, o Major Vitor Hugo também está indeciso sobre sua festa de aniversário, dia 31.

Ano passado, o parabéns do líder do governo Bolsonaro na Câmara contou com a presença do presidente – em sua casa, em Brasília.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: