“Precisamos gerar caixa”, diz Paulo Kakinoff, CEO da Gol

“Precisamos gerar caixa”, diz Paulo Kakinoff, CEO da Gol

Sonia Racy

15 de abril de 2020 | 00h55

 

Paulo Kakinoff – Foto: Werther Santana/Estadão

Não é segredo para ninguém que o primeiro setor da economia a sentir o baque gigante do coronavírus foi o da aviação. Dados dos EUA mostram que, internamente, os 2 milhões de passageiros por dia que passavam pelos aeroportos americanos no dia 3 de março, se transformaram em 2 mil, e pouco menos que… 100 mil, no dia 5 de abril: uma queda de 95% na movimentação. No Brasil, a proporção é parecida, mas algumas empresas tem conseguido algum equilíbrio. Segundo Paulo Kakinoff, da Gol, a empresa foi ágil ao mexer na malha aérea, fazer comunicados internos, introduzir novos sistemas de sanitização a bordo e redesenhar produtos. “Estamos há 15 dias operando somente 50 voos, 10% do que a gente costumava operar”, contou ontem o CEO da Gol, à coluna. “Quando levo em consideração meus custos variáveis – que são os utilizados para voar – a atual operação se paga”.

Ante o espanto dessa coluna, Kakinoff explica: “Não estou falando em gerar caixa e sim em equilíbrio”. A Gol, segundo ele, promoveu rapidamente redução nos custos fixos; entre os quais, o principal é a folha de pagamento. “Ela veio de um custo pouco maior que R$ 180 milhões por mês para R$ 80 milhões, através de acordos que fizemos com colaboradores: temos 5,4 mil pessoas em licença não remunerada”, destaca o executivo.

A receita hoje, segundo o executivo, é equivalente ao custo variável da operação. “Eu não estou piorando a situação quando decolo qualquer voo nosso hoje. Lógico que se eu aumentar esse número de voos, vou gerar prejuízo porque não há demanda acima desses 10% que estamos operando. Mas, uma vez que a gente estancou essa queima de caixa na operação, eu me concentro apenas nos custos fixos que a companhia tem: folha de pagamento, aluguel das aeronaves. Temos renegociado com gestores, com empresas que alugam aviões. A quase totalidade deles têm concordado com diferimento de pagamento”.

A próxima amortização importante da atual dívida da Gol se dará em agosto. Quanto ao serviço do serviço da dívida, o executivo avisa que há caixa para quitar. O que Kakinoff busca agora, são ‘maneiras de gerar mais caixa’ porque o grande desafio e preocupação é estar preparado para quando essa crise passar. “A retomada da demanda vai ser lenta”.

Existem negociações com o BNDES? “Elas têm sido feitas para reforçar o caixa por meio de linhas de crédito, mas isso não significa que vamos utilizar. Ninguém vai se endividar desnecessariamente mas as tratativas estão indo bastante bem.

O cenário, segundo Kakinoff, tem muitos riscos, “mas estou confiante na travessia”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: