Pré-candidato do Novo aposta na força da internet

Pré-candidato do Novo aposta na força da internet

Sonia Racy

22 de setembro de 2017 | 00h45

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Formado pela FGV, ex-funcionário do Citi, Vinicius Poit, 31 anos, criou o Recruta Simples – programa que ajuda moradores de rua a arrumar emprego. Não o fez sem antes trabalhar em outras ONGS, sempre com moradores de rua. Hoje, Poit se dedica também ao Partido Novo, ao qual esta filiado e pelo qual pretende disputar vaga de deputado em 2018. Garante que há, entre os jovens, muitos como ele, dispostos a melhorar o País. Aqui os melhores trechos da conversa.

Por que entrou na política?
Gosto daquela frase “se você não se interessar por política, vai ser governado por quem se interessa”. E quem se interessa está aí no jornal, né? Então, esta é a hora de a gente fazer algo.

Não tem medo do atual mar de lama?
Não, porque estou nisso por um propósito de vida. E se você vai entrar num mar de lama, calça bota de borracha bem grande para não se sujar e poder limpar tudo isso.

Por que escolheu o Novo?
Por uma questão de valores e princípios alinhados ao que penso. Um partido que não usa o dinheiro público, que tem governança, tem processo seletivo para os candidatos. Um partido mais preocupado com a população do que com se reeleger.

Muitos dizem que o partido é gerido como uma multinacional.
Aí eu confronto, o que é governar como uma multinacional? É botar um processo seletivo pra escolher candidatos? Eu acho que isso é obrigação. O candidato está lá porque ele foi jogador de futebol, porque é cantor de forró ou fez palhaçada na televisão? Não dá. Isso é ser multinacional? Respeito com o dinheiro público – isso é ser multinacional? Governança, transparência de todos os dados?

Como vão se financiar sem verba do Fundo Partidário?
Com doações de pessoa física. Se eu fizer algo que não está alinhado aos interesses dos doadores, eles param de doar e o partido acaba.

O Novo só aceita quem nunca foi da política?
Não. Pode entrar, desde que esteja alinhado com os nossos valores. Vamos ver o histórico de votação e atuação.

Vai se candidatar em 2018?
Estou no processo seletivo do Novo para ser candidato a deputado federal por SP.

A internet é suficiente pra puxar voto?
Não acho suficiente, mas é fundamental. Montei uma página no Facebook, tem mais de 100 mil pessoas seguindo. Esse é o novo jeito de fazer política, barato.

Que conselho dá a quem quer se dedicar mas não tem como se manter?
Pode ser voluntário, ser filiado, ir aos eventos de rua, ajudar na campanha de quem vai ser candidato, compartilhar conteúdos na internet. Participar ativamente na internet é uma maneira de fazer política muito forte e sem custo nenhum. Tem que trabalhar muito, tendo condição financeira ou não. A gente tem o exemplo da nossa vereadora aqui em São Paulo, a Janaína Lima, que saiu lá do Capão Redondo foi eleita vereadora com quase 20 mil votos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: