Prazer, Matheus

Prazer, Matheus

Sonia Racy

12 de abril de 2012 | 01h00

Matthew McConaughey, galã americano, esteve em SP anteontem. Para a inauguração da loja Noir, Les Lis, marca da qual é ‘homem-propaganda.’

O moço bateu papo rasante com a coluna no Fasano. Desceu do quarto acompanhado pela mulher, a brasileira Camila Alves, e se apresentou como “Matheus”, em português.

Indagado, o ator texano não sabe em quem votará para presidente dos EUA: “Vou ouvir os dois lados para tomar minha decisão”.

Como está seu português?

Grave bem isso, hein! Meu português não é bom, mas de propósito. Camila e eu decidimos que é melhor para o nosso relacionamento que eu não aprenda português. Assim, ela pode falar mal de mim com as crianças (risos). Mas, pelo ritmo do que dizem, eu sei. E ela me avisa (fala em português): “Relaxa, Matheus” (risos).

Você gosta de moda?

Eu aprecio a moda, sim. Mas primo pela praticidade. Gosto de colocar meu toque pessoal nas coisas.

Vai apoiar alguém nessas eleições americanas?

Será Romney contra Obama. Escutarei o que têm a dizer. Romney deve se pronunciar diferentemente do que anda fazendo agora contra os outros republicanos. Obama está comemorando, dizendo que a economia vem voltando ao normal… Será interessante, vamos ver (risos).

Você sabe que nossos presidentes se encontraram cara a cara esta semana?

Agora? Onde?

Em Washington.

Lá? E nós estamos aqui, conversando (risos). Vamos acertar isso direito (risos).

Tem interesse em fazer algum trabalho com cineastas aqui do Brasil?

Tenho um grande plano e uma super ideia. Mas não vou te revelar agora (risos). Porque envolve atores e diretores brasileiros.

É sua primeira vez em SP, mas você já esteve no Rio. Qual sua impressão?

Adoro. Minha primeira e ótima impressão do Brasil foi Camila Alves (risos). E desde que estamos juntos já estive aqui seis vezes. Gosto do ritmo. Da motivação dos desejos brasileiros. /MARILIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.