Pós-eleição

Sonia Racy

28 de outubro de 2014 | 01h11

Desconfia-se, no mercado financeiro, que o governo Dilma orquestrou, ontem à tarde, a ação de uma tropa de choque para evitar queda maior na BM&F/Bovespa. Somente isso, segundo players, justificaria o alto volume de negócios – ultrapassou R$ 18 bilhões –, bem como a duplicação dos lotes de índice futuro.

Lá fora, a negociação de ADRs da Petrobrás (papéis comercializados fora do local de origem da empresa) atingiu recorde histórico.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: