Por muito pouco, cartório milionário no RS não foi devolvido ao tabelião

Sonia Racy

24 de junho de 2018 | 01h00

Por muito pouco um cartório milionário de Porto Alegre, acusado de falsificação de escrituras, sonegação de impostos e desvio de dinheiro, não foi devolvido ao tabelião por decisão do Conselho Nacional de Justiça, criado justamente para fiscalizar o Judiciário e também os cartórios extrajudiciais.

Diante da profusão de provas e contrariando o voto da relatora, Maria Tereza Uille, e do próprio corregedor Nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, entretanto, a maioria dos conselheiros votou pela manutenção da pena imposta pelo tribunal.

O tabelião punido faturava R$ 4 milhões por ano.

Leia mais notas da coluna: 

Relatório de engenheiros deve servir à defesa de Laurence Casagrande

Meirelles defende plano de segurança nas fronteiras em Rio Branco

Tendências: