População de SP vai continuar pagando para que promotores possam estudar

Sonia Racy

01 Junho 2018 | 00h50

A população de SP vai continuar pagando para que promotores e procuradores de Justiça possam estudar. Na terça, o Conselho Superior do Ministério Público acolheu, por seis votos a cinco, memorial da Associação Paulista do MP.

Está mantida a autorização de afastamento, por até 30 dias, para elaborar de tese de mestrado ou doutorado.

A lei orgânica do MP prevê em que hipóteses o promotor pode se afastar. E não há esta possibilidade.

Leia mais notas da coluna:

PDT espera eleger entre 40 e 65 deputados federais

Itamaraty espera 60 mil brasileiros na Rússia