PM achou facas entre manifestantes anti-Previdência na Alesp

Sonia Racy

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar a partir de R$1,90

FACAS APREENDIDAS PELA PM NA ASSEMBLEIA. ARQUIVO PESSOAL

 

Texto atualizado às 14h30 desta quarta-feira

 

Duas facas foram encontradas durante a revista da PM, na Assembleia paulista, na última quarta-feira. Segundo a assessoria da Casa, as armas brancas pertenciam a manifestantes que ocupavam a galeria — espaço para visitantes assistirem às sessões plenárias dos deputados.

Foi o dia da pancadaria protagonizada por Arthur do Val, o Mamãe Falei, com Teonilio Barba e outros pares na tribuna, enquanto discutiam a reforma da Previdência proposta por Doria. As galerias podem voltar a ficar cheias nesta tarde,  uma vez que o TJ paulista deve derrubar a liminar que impede a votação do texto da Previdência pelos deputados estaduais.

Sindicalistas protestam

no gabinete de Mamãe Falei

Ontem, do Val, trajando camiseta, foi cercado por sindicalistas, que entraram no seu gabinete para protestar. Na semana passada, esses grupos foram chamados pelo deputado de “vagabundos”. Escoltado por seguranças, ele sorria e acenava para quem o filmava com celulares.

Resultado: para o próximo ano, Cauê Macris, presidente da Casa, já encomendou a instalação de detectores de metal e circuito de câmeras.

Fim de ano apertado

na agenda da Alesp

Pelo andar da carruagem, deputados de SP correm o risco de passar o Natal em votação. Além da reforma da Previdência, precisam votar o Orçamento de 2020 até o fim do mês. E o presidente Macris não levará nenhuma outra pauta ao plenário até que o TJ julgue seu agravo e derrube a liminar que impede a votação da PEC da Previdência.

Casos de violência atendidos

sobe 85% na Justiça de SP

Nos 11 primeiros meses do ano, a ajuda psicossocial e jurídica a vítimas de violência, prestada pela Secretaria da Justiça de SP, foi 85% maior do que a registrada em igual período do ano passado: no total, 2.250 atendimentos, contra 1.213 em 2018.

No momento, o Centro de Referência e Apoio à Vítima da SJ ajuda também 18 vítimas do “caso” Paraisópolis.

Paulinho da Força briga

para recriar imposto sindical

Paulinho da Força é um dos deputados que mais trabalham, estes dias, na Câmara. Articula, por todos os lados, os grupos de apoio à PEC que recria o imposto sindical – texto redigido por Marcelo Ramos, do PL do Amazonas.

De quebra, o projeto reinstitui grande parte do modus operandi sindical da era Lula.

João e Tabata, o novo

casal da Câmara 

João Campos e Tabata Amaral formam o novo casal na Câmara. Ele, inclusive, vai ter que se dividir entre Brasília, São Paulo, onde ela mora, e o Recife, onde é candidato a prefeito.

Descobertas no

Parque Augusta

Na primeira vistoria do parque Augusta, ontem, foram encontrados no subsolo, pela prospecção arqueológica, os antigos passeios do colégio Des Oiseaux. A ideia é recuperá-los e manter as trilhas no projeto.

O grupo também descobriu, na mesma área, um ninho com… quatro filhotes de carcará.

A briga da Cultura por

inclusão no MEI

Em defesa das categorias que foram excluídas do MEI (o projeto do Micro Empreendedor Individual), a auditora cultural Flávia Faria Lima já contatou deputados que defenderam a inclusão, nesse esquema, da totalidade da cadeia cultural. Entre eles, Sóstenes Cavalcante (DEM) e Luiz Philipe Orléans e Bragança (PSL). Este chegou a apresentar um PL para incluir atores e atrizes no pacote.

“Essas categorias que foram excluídas e depois voltaram são uma pequena parte das profissões que compõem a cadeia cultural e não estão incluídas – como atores, figurinistas, técnicos de som”, avisa Flávia. Segundo a auditora, o apartidarismo da pauta, que, em sua opinião, faz um cruzamento entre economia e cultura, é o que provoca desinteresse e falta de apoio.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato