Planos para o futuro

Planos para o futuro

Sonia Racy

23 de junho de 2012 | 01h01

Daniela Cembranelli, reconduzida por Alckmin por mais dois anos na Defensoria Pública do Estado, reassume com boa informação dada pelo governador. Seu projeto na Assembleia, para praticamente dobrar o número de defensores públicos, tem grandes chances de passar.

Quais os principais desafios deste novo mandato?

Assim que forem criados os novos cargos, será possível expandir a atuação da Defensoria em todo o Estado. O foco é colocar mais defensores para reforçar o atendimento especialmente na área criminal – tanto na porta de entrada quanto na de saída para os presos.

Outras frentes?

Ampliar a área de conciliação, para ajudar a desafogar o Judiciário, e, claro, optar por uma cultura de paz. Especialmente nas áreas de família, que correspondem a cerca de 50% da demanda da Defensoria. E, por fim, fortalecer as Defensorias hoje existentes em 29 cidades – principalmente, abrir novas unidades nos municípios mais pobres de SP.

Com essas ampliações, como ficarão os convênios com a OAB-SP, por exemplo?

Continuarão existindo, tanto com a Ordem quanto com universidades e outras entidades que ajudam no atendimento jurídico a pessoas carentes. O déficit, hoje, de profissionais é enorme. Para se ter uma ideia, são cerca de 2 mil juízes estaduais, 1.800 promotores e, mesmo com os novos cargos que virão, seremos somente 900 defensores./DÉBORA BERGAMASCO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.