Pingos nos is

Redação

21 de outubro de 2008 | 08h31

Ao ler nesta coluna sobre o caso da Procter & Gamble contra o antigo Bankers Trust (hoje, Deutsche Bank), em que prejuízo de U$ 100 milhões, da Procter, acabou em U$ 30 milhões, conhecido banqueiro faz uma retificação. O acordo foi feito por causa de gravação, dando conta de que um operador do banco agira de forma incorreta.

O que não seria o caso das operações de derivativos que foram feitas no mercado de balcão com os exportadores brasileiros.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: