Perdeu, mas ganhou

Redação

22 de maio de 2009 | 08h50

Corre, em escritórios e tribunais, que Protógenes Queiroz não teria passado no exame psicotécnico para entrar na Polícia Federal.

Não passou mesmo. A coluna apurou que o delegado fez exame em 1994 e, ao ser reprovado, recorreu à Justiça. Em 1999, um juiz do Rio decidiu que “as reprovações, no teste físico e 2ª fase do exame psicotécnico, não são impeditivos à nomeação e posse no respectivo cargo”.

A União recorreu e perdeu. O STJ determinou que ele “seja nomeado e empossado, obedecendo-se à ordem de classificação”. Detalhe: esta prática é recorrente.

Veja também:
mais imagensFlorian Raiss inaugura exposição na Monica Figueiras Galeria de Arte
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.