‘Penso todo dia se devo continuar com a série’, diz Maria Flor após ataque de bolsonaristas

‘Penso todo dia se devo continuar com a série’, diz Maria Flor após ataque de bolsonaristas

Marcela Paes

20 de fevereiro de 2021 | 00h40

Maria Flor. Foto: Fabio Motta/Estadão

Desde que começou com a série Flor Pistola no Instagram – em que comenta em tom revoltado aspectos políticos do País, em especial a atuação de Bolsonaro – Maria Flor se preparou para possíveis reações de apoiadores do presidente. Mesmo assim, se surpreendeu com a enxurrada de comentários que recebeu pelo último episódio, publicado no início da semana.

No vídeo, que virou trending topic no Twitter, a atriz relaciona o cancelamento do carnaval à incompetência do governo na administração da pandemia e à má vontade na compra das vacinas. “Não pensei que esse vídeo especificamente fosse tomar essa proporção. O que me impressionou foi a falta de compreensão de que aquilo é um personagem. Achei que estivesse claro que é uma paródia. Eu estou atuando. Tem texto pronto”, explica.

Apesar de partirem de uma indignação real de Maria Flor com a situação política do País, os monólogos puxam para o lado do humor e são propositalmente exagerados, com palavrões e fala exaltada. Com quase 20 anos de carreira – começou em 2003, na Malhação, e já atuou em dezenas de novelas e filmes, além de manter uma produtora – a atriz diz se sentir acuada e afirma pensar “todo dia” se deve continuar com a série. 

 “Não vou negar, é difícil. É um monte de gente me xingando, uma energia ruim, mas não quero ser censurada. Como artista eu tenho que ser livre para dizer o que eu penso”. A reação virulenta nas redes sociais – que também partiu de integrantes do governo como Sergio Camargo, Presidente da Fundação Cultural Palmares – preocupou amigos e família. 

 “Muita gente me escreve questionando se isso pode prejudicar a minha carreira”. Até o tio de Flor, Bolsonarista ferrenho com quem a atriz estava rompida, quis entender o que estava acontecendo. Ela conta que o irmão de sua mãe foi excluído de um grupo de WhatsApp de apoiadores do presidente e acusado de ‘fazer viagens com o dinheiro que a sobrinha conseguia pela Lei Rouanet’. “É um absurdo dizerem que eu captei R$ 10 milhões pela Rouanet”, diz.

O boato fez parte de campanha de desinformação, checada e desmentida pelo Estadão Verifica. Para a atriz, que está gravando a próxima novela das nove da Globo, o esforço vale a pena. “Se alguém não me chamar para um trabalho por isso, por essa coisa de ódio, eu não me importo. Provavelmente eu também não gostaria de trabalhar com essa pessoa”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.