Pazuello volta a circular sem máscara, desta vez em restaurante de Brasília

Pazuello volta a circular sem máscara, desta vez em restaurante de Brasília

Sonia Racy

01 de junho de 2021 | 00h50

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde Foto: Gabriela Biló/ Estadão

Na primeira vez em que foi fotografado sem máscara, dentro de um shopping manauara, no dia 25 de abril, Eduardo Pazuello correu para se explicar publicamente. Pediu para sua assessoria soltar nota explicando que sua máscara estava estragada e que justamente entrou no shopping para comprar uma nova.  

 Agora, após o depoimento no Senado, tudo mudou. No domingo, o ex-ministro da Saúde entrou sem máscara, acompanhado de uma moça também sem máscara, no restaurante Daniel Brian’s, em Brasília. No local, todos usavam…máscaras. Acabou esperando cerca de meia hora para conseguir uma mesa. 

 Quem viu a cena não se deu ao trabalho de questionar o ex-ministro. E quem trabalha no restaurante, fez cara de paisagem. O mesmo feito teria acontecido na segunda-feira anterior, no mesmo restaurante. Água mole em pedra dura tanto bate até que …não fura.  

 Troca-troca 

 Com a ida de Flávio Bolsonaro para o Patriota, sinalizando que o presidente também deve seguir o mesmo rumo, o PSL paulista estima perder seis parlamentares estaduais.  

 Devem, porém, esperar a janela eleitoral para deixar o mandato fora de risco. Já Gil Diniz e Valéria Bolsonaro, sem legenda, estão de malas prontas para seguir os Bolsonaros. 

 E a turma do MBL? Segundo se apurou, está enfurecida com o Patriota. Abrigo do deputado Mamãe Falei e do vereador Rubinho Nunes – que podem ir para o PSL.

Na cara dura 

A Warner Bros. notificou o Nubank por fazer postagens em redes como o Twitter e o Facebook usando expressões do seriado Friends sem permissão do estúdio. A fintech usou a frase “I’ll be there for you” (da música tema do programa) e fez alusões ao especial lançado na semana passada. Mesmo notificado, o banco mantém as postagens no ar. 

 Letra e música 

 Nine Out Of Ten, canção que Caetano Veloso escreveu no exílio, está na trilha sonora do documentário Cine Marrocos, da Muiraquitã Filmes – com estreia marcada para quinta-feira.  

 Em 2018, o diretor Ricardo Calil convidou moradores que ocupavam o cinema abandonado de São Paulo para interpretar filmes clássicos exibidos ali na década de 1950. Calil acredita que a música retrata a situação dos “refugiados, imigrantes e brasileiros que viviam no prédio. “

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.