Pazes e votos

Pazes e votos

Sonia Racy

02 de junho de 2010 | 06h00

roberta

Encontros e desencontros na já tradicional festa de aniversário de Orlando Silva, que completou 39 anos, no restaurante Praça São Lourenço. O encontro estava quase no fim quando Zé Dirceu chegou com sua mulher, Evanise, frustrado por não ter visto Oliver Stone em evento na Faap. Dirceu degustava risoto funghi quando foi pego de surpresa por entusiasmado abraço do ex-desafeto Protógenes Queiroz, da Operação Satiagraha. “Esse é o delegado que queria me prender”, brincou o ex-ministro.

Protógenes fez cara de paisagem. Conversaram longamente sobre o episódio e trocaram juras de amor. Clímax? Quando Protógenes sussurrou a Dirceu, pedindo ajuda para sua campanha a deputado federal.

Enquanto isso, Ricardo Teixeira, que muitos pensavam estar na África, avisou: “Embarco quinta”. Ainda entre as celebridades do futebol estavam Rivellino e Juvenal Juvêncio.

Aliás, o presidente do SPFC convidou Aloizio Mercadante para jantar em sua casa. E o candidato disse sim: “Claro. Sou santista, mas meus filhos torcem para o São Paulo”.
E major Olímpio Gomes concorrerá mesmo como vice de Mercadante? “Essa é uma decisão do PDT, mas terá que passar pelo nosso crivo.”

O aniversariante, alegre, aproveitou para pedir votos até para o cunhado, Gustavo Petta, candidato a deputado federal.

Depois de apagar as velas, Orlando discursou ao microfone: “Quem não trouxe presente, não se constranja. Vote em Dilma”. Lula não foi, mas seus filhos Fábio Luís e Sandro marcaram presença. Esse foi o gran finale de três comemorações do festeiro Orlando Silva: a primeira em Brasília, outra em Campinas e a saideira, anteontem.

Texto: Paula Bonelli / Foto: Roberta Borges

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.