Paulo Skaf diz não saber nada sobre proposta de compra de vacinas da AstraZeneca

Sonia Racy

28 de janeiro de 2021 | 00h50

PAULO SKAF

PAULO SKAF. FOTO: ALEX SILVA/ESTADÃO

Paulo Skaf, da Fiesp, deixou claro – segundo ele próprio – a Bolsonaro, nas duas horas de conversa, anteontem à tarde, em Brasília: o setor privado só quer… colaborar. Seja em “compra eventual de algum fornecedor que não queira vender para o governo, na logística ou em campanhas informativas. Enfim, nós estamos só querendo ajudar o Brasil a acelerar o máximo possível a campanha de vacinação e preservar vidas. Essa é a nossa preocupação, não estamos preocupados conosco”.

Na mensagem obtida por essa coluna, de três minutos, colocada no grupo de WhatsApp montado para discutir a compra de vacinas, Skaf nada diz sobre a ideia “meio a meio” na repartição dos imunizantes (entre governo e iniciativa privada). Ou ainda sobre a importadora de Santa Catarina que faria a operação.

Diz: “Eu quero dizer que essa notícia de 33 milhões de doses que se falou, isso saiu não sei de onde, não foi confirmado pela AstraZeneca. Agora estão dizendo que são doses do BlackRock, que é de se estranhar. Nós estamos procurando ir atrás desse fundo e se informar se (sic) existe alguma coisa e até agora não temos confirmação nenhuma da existência dessas vacinas. A AstraZeneca desconhece essa oferta. Então, pode ser que tudo isso foi um diz que diz”.

Alguns integrantes do grupo estranham a fala de Skaf. Afinal, seria ele o protagonista da aquisição de vacinas. O presidente da Fiesp disse que “fica uma situação interessante porque, se o governo tem dinheiro e compra tudo aquilo que aparecer e tiver registrado, não sobra muito pro setor privado comprar”.

Música em casa

Ivan Lins se apresenta na ViradaSP Online, no sábado. Os internautas poderão acompanhar também outras apresentações de artistas, como o grupo musical Nomade Orquestra e Jup do Bairro.

A transmissão acontece pela plataforma #CulturaEmCasa.

Conexão leitura

A Bienal do Livro Rio pretende lançar, no dia 1, sua plataforma digital de amplo acesso. Para o lançamento, a organização pautou entrevista com o escritor Itamar Vieira Júnior, autor do aclamado Torto Arado. O livro foi vencedor de prêmios como Jabuti e Oceanos no Brasil. E Leya, em Portugal.

Cacá Diegues também participa da estreia online. O cineasta compartilha dicas de filmes adaptados da literatura nacional.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.