Paulo Guedes não prevê concentração de poder na redução ministerial

Sonia Racy

06 de novembro de 2018 | 01h00

PAULO GUEDES

PAULO GUEDES. FOTO: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

A intenção de Paulo Guedes, na diminuição de ministérios no governo Bolsonaro é a de “desinflar” a máquina pública, dando-lhe maior eficiência. A concentração de poder, pelo que se apurou, é relativa pois a estrutura será enxuta e as secretarias terão autonomia.

Mas quais são os critérios que estão sendo usados por Guedes na escolha de nomes técnicos que permanecerão em seus postos? Simples: qualidade do trabalho já realizado e real motivação para trabalhar sob nova administração.

Quem somar os dois atributos fica. E poderá até pleitear transferência para outra localização que não seja a atual. Dentro do possível, poderá ser atendido.

A estrutura do novo desenho está pronta e agora é a fase de encaixar nomes. A lista para presidir o BNDES estaria sendo encabeçada por Joaquim Levy.

Desconfia-se do ânimo do economista em deixar o BID, a família e mudar de país de novo. Sua última experiência foi traumática.

Outros nomes, como os de Rubem Novaes – que já foi diretor do banco e estudou na Universidade de Chicago –, Roberto Castello Branco – integrante da transição, ex-BC, ex-Vale e também “Chicago boy” – e Carlos Costa – integrante da transição e que está no BNDES – são bem cotados.

Ivan Monteiro permanece na Petrobrás? Se tiver ânimo e disposição, seria bem-vindo. O BB também seria opção e o executivo, altamente qualificado, pode até gostar de voltar para casa.

Leia mais notas da coluna:
‘Não creio que vivemos uma caça às bruxas’, diz Maria Bonomi
Sergio Sá Leitão explica modelos da Cultura em outros países

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: