Paula Lavigne busca patrocínio para equipes técnicas durante quarentena

Marcela Paes

01 de abril de 2020 | 16h07

PAULA LAVIGNE. FOTO: FERNANDO YOUNG

PAULA LAVIGNE. FOTO: FERNANDO YOUNG

Ao contrário de Caetano Veloso, que surgiu amuado em um divertido vídeo enquanto comia uma paçoca, Paula Lavigne não está entediada por seguir em quarentena em casa. A maior preocupação da empresária, que é conhecida por ser workaholic, é com trabalho. Segundo ela, não só com o seu, mas o de toda a cadeia produtiva que cerca a organização de shows.

Fazendo articulações de casa, a empresária agora busca patrocínio por meio da Associação Procure Saber, da qual a presidente, para reverter o dinheiro de lives feitas com cantores e cantoras para as equipes técnicas que trabalham com esses artistas.

“A questão é que o nosso trabalho parou. A gente trabalha com pessoas juntas, com o ao vivo. Não estou preocupada com a situação de artistas grandes, mas com essa cadeia, que inclui técnicos de som, de luz, roadies, que não tem como trabalhar”, diz Paula.

Outra frente que ocupa o tempo da empresária no home office são as ações do coletivo 342 Artes, que, agora, estão voltadas para um financiamento coletivo revertido para algumas organizações de favela afetadas pelo novo coronavírus.

Mas nem tudo é trabalho. Paula, que completou 51 anos no dia 31 de março, e recebeu uma festa surpresa virtual dos amigos, vai ser avó pela primeira vez. “A maior felicidade dos últimos tempos. Vou ter que me controlar para não sufocar a criança”, brinca.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.