Pasta, vinho e recaída

Redação

13 de novembro de 2008 | 07h43

Em jantar com empresários italianos, anteontem, em Roma, Lula voltou às origens. Não chegou a reprisar o “Fora FMI” dos velhos tempos, mas criticou duramente o comportamento do Fundo, que, para ele, não deu bons conselhos para se evitar a crise financeira nem representa mais os interesses dos países.

Mas teve de ouvir também queixas dos empresários italianos, como o presidente da Illycaffe, Andrea Illy. Ele reclamou que não tem conseguido mandar café da Colômbia para elaborar, no Brasil, um blend com o café brasileiro, a fim de exportar para o resto do mundo. “Deve ser lobby do pessoal no Brasil”, reagiu Lula. E prometeu cuidar do caso.

Tudo na presença de Miguel Jorge, Dilma Rousseff, Paulo Skaf e Emma Marcegaglia, da Confindustria italiana.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.