Líder do Partido Novo quer ‘um Estado menor, que pare de atrapalhar as pessoas’

Líder do Partido Novo quer ‘um Estado menor, que pare de atrapalhar as pessoas’

Sonia Racy

26 Outubro 2015 | 00h31

PAULO GIANDALIA/ESTADÃO

PAULO GIANDALIA/ESTADÃO

Fundador de um partido sem políticos, João Dionísio Amoedo diz que o Brasil só crescerá quando o governo deixar as pessoas e empresas crescerem. E, sobre os desafios do futuro: o importante “não é dar certo, é fazer o certo”.

Um cidadão sabe muito melhor do que o Estado o que fazer com seu dinheiro. Um governo que quer fazer coisas demais não fará nenhuma direito. O que o Brasil precisa hoje é de um Estado menor, que pare de ficar protegendo as pessoas – ele tem é que cuidar de tarefas essenciais e deixar de atrapalhar. Foi com ideias assim que, nos últimos três anos, o administrador e engenheiro carioca João Dionísio Amoedo – hoje com 52 – juntou amigos, viajou, correu as redes, reuniu 502 mil assinaturas e conseguiu, em setembro, registrar no TSE o 33º partido do País – o Partido Novo (depois dele, mais dois já se registraram).
Engenheiro de formação, com carreira no mercado financeiro e passagens pelo Citibank e o BBA, Amoedo criou, de propósito, um “estranho no ninho” – um partido feito inteiramente por gente de fora da política. Mas, sem a experiência dos políticos, não corre o risco de não dar certo? “O importante não é dar certo, é fazer a coisa certa”, pondera Amoedo. “Temos empresários, estudantes, profissionais liberais. No cadastro há 35 profissões. Político, nenhum”, ressalta nesta entrevista a Sonia Racy e Gabriel Manzano. A seguir, os principais trechos da conversa.
Como lhe veio essa ideia de criar mais um partido no País e por que acha que ele vai ser diferente?
A ideia apareceu entre 2008 e 2009. Em conversa com amigos, ficávamos agoniados de ver a quantidade de impostos que todos pagamos e o pouco que o governo nos dá em troca. Não é possível, dizíamos, que não se possa levar à vida pública as boas coisas da economia privada – boa gestão, meritocracia, transparência. E ao falar com alguns políticos percebemos que era preciso gente nova para fazer isso.
E imaginaram que a solução seria criar um novo partido.
Sim, e tudo dentro das instituições democráticas. Investigando as 27 ou 28 legendas que havia então, não vimos nenhuma que representasse de modo satisfatório a ideia de um Estado cuidando de áreas essenciais e que deixasse os cidadãos em paz. Em 2010, decidimos pôr esse negócio em pé.
“Decidimos”, quem?
Um grupo de amigos no escritório, empresários, gente do mercado financeiro… Tivemos duas reuniões no Rio e uma em São Paulo e foram chegando estudantes, profissionais liberais. Nenhum político no grupo. A largada foi com 181 fundadores, de 35 profissões. A maioria era de São Paulo e do Rio, mas havia gente de 10 Estados. A lei eleitoral exige representantes de pelo menos nove.
E como conseguiram as mais de 490 mil assinaturas?
Foi bem mais difícil do que imaginávamos, demorou uns dois anos. Contratamos uma empresa que montou equipes de rua, essas equipes explicavam o partido e suas ideias básicas, pusemos ficha de inscrição no nosso site na internet. Chegamos a um milhão de eleitores, validamos pouco mais da metade. Vimos como foi difícil para a Marina (Silva, presidente da Rede Sustentabilidade) essa validação. Em julho entramos no TSE, que aprovou a sigla em setembro.
No registro, o Tribunal mandou alterar um item que falava em cargos permanentes na direção. Qual o motivo? Um grupo pretendia ser dono do partido?
Não foi assim. Falava-se em prazo indeterminado. O que houve foi que nossos advogados sugeriram que era preciso ter um controle da legenda, na fase inicial, até se garantir que a ideia original estava implantada, e de pé. Na mudança que foi pedida pelo tribunal, definimos um prazo para os membros do diretório.
“ESTADO MENOR SIGNIFICA
MENOS ESTRAGO E
MENOR CORRUPÇÃO”
Já dispõe de um perfil socioeconômico desses filiados? 
Na média, eles estão pelos 40 anos de idade. O perfil de muita gente é do tipo “jamais imaginei estar filiado a um partido político”. Temos hoje 17 núcleos, uns 50 mil cadastrados online, gente de muitas profissões, da Polícia Federal, do Ministério Público, contador, vigia noturno. O que não tem, mesmo, é político.
Sem políticos, não se corre o risco de não dar certo? E quais as grandes causas do PN?
Vamos começar com um esclarecimento: nosso propósito não é “dar certo”, é “fazer a coisa certa”. E sabemos que isso pode levar tempo. Quanto às causas, a principal é lutar para que se reduzam o papel e a presença do Estado na vida das pessoas e das empresas. O governo central não tem que ser um protetor da sociedade – o que é uma desculpa para ele controlar. Tem de cumprir tarefas essenciais e deixar os cidadãos viverem em paz.
Quais tarefas essenciais?
Saúde, educação, segurança, defesa, política externa. Uns cinco a sete ministérios, mais uma boa rede de proteção para pessoas na extrema pobreza. O que sabemos, todos, é que o Estado, como qualquer um de nós, não consegue fazer bem um montão de coisas ao mesmo tempo. Tem de fazer poucas, e bem. Além disso, num país como o nosso, um Estado menor significará menos estrago e menos corrupção.
Já há um plano de candidaturas para prefeito em 2016?
Temos um caminho ainda pela frente. Primeiro, estruturar o partido. Segundo, consolidar uma marca, como instituição. Isso é um ponto crucial. Terceiro, trazer pessoas novas para a política. Quarto, elegê-las. E quinto, promover um debate sério sobre mudanças estruturais. Quanto a 2016, a eleição já está muito perto. Gostaríamos de ter candidatos a vereador, a prefeito, é essencial para consolidar o nome. Mas não queremos cair nessa de eleger um “puxador de votos” para ganhar espaço. O compromisso é promover ideias. Difícil? Sim, mas é o que precisa ser feito. “Fazer o certo” é mais importante do que “dar certo”.
No atual momento, “fazer o certo” significa apoiar o impeachment da presidente Dilma?
Depois das avaliações do TCU, quanto ao uso irregular de dinheiro nas pedaladas, e constatado o crime de responsabilidade, passamos a apoiar o pedido de impeachment.
Qual a proposta do PN para o Brasil sair do atual buraco?
Primeiro, precisa de alguém no comando que tenha credibilidade, coisa que nos falta no momento. Segundo, ter ideias corretas – como essa de que o Estado tem de estar menos presente. Terceiro, o governo tem de fazer uma redução séria dos gastos. E quarto, fazer as reformas estruturais – trabalhista, previdenciária, tributária, privatizar empresas…
O eleitor tem ouvido esse tipo de análise há 20 anos…
Mas alguém já pegou um plano assim e levou adiante? O discurso é sempre de que “eu vou fazer isto e aquilo por você…” O discurso do Novo vai ser “eu prometo não atrapalhar”. O cidadão às vezes não percebe que quando um político lhe “paga” as promessas – isso quando paga… –, está aplicando dinheiro que é dele, cidadão. Não é favor nenhum.
O PN deverá atrair um eleitorado identificado com o liberalismo, com as teses do Estado mínimo. O momento parece bom para defender essa ideia ao País? 
Não gosto desse termo, não sei bem o que é o Estado mínimo. Mas a nossa aposta é que o Brasil só vai conseguir crescer se as pessoas tiverem liberdade para crescer, se o Estado estiver menos presente.
“UMA BOA CAUSA SE VENDE
POR SI, NÃO PRECISA
DE TANTO DINHEIRO”
O sr. já disse que o PN é contra a existência do Fundo Partidário. Do que então ele vai viver?
Temos um sistema de contribuição que recebe de cada filiado 26 reais por mês – um valor equivalente a meio salário mínimo por ano. Vamos ampliar nossa interação em redes sociais. Pra se ter uma ideia, o PN está hoje só atrás do PSDB e do PT nas mídias. O PSDB tem 1,2 milhão de seguidores, o PT 950 mil. E nós, 920 mil. A Rede da Marina tem uns 60 mil. Mas a Marina, pessoalmente, tem uns 2 milhões. A Dilma, 2,7 milhões. O Aécio, 4,5 milhões. Isso comprova o que dissemos antes: que a nossa política é feita de pessoas, não de ideias.
Mas um partido que sai do nada, que não quer puxadores de votos e terá horário mínimo na TV terá dificuldades para tornar os candidatos conhecidos.
Sim, é uma missão difícil, mas não impossível. Muita gente já perguntou pelo Facebook se vamos ter candidato em 2016. Respondemos que sim e eles dizem: “Ótimo, vou votar nele, nem preciso saber quem é”. Precisamos ter uma marca séria, conquistar essas pessoas. Sem essa de salvador da pátria. E também podemos aproveitar bem a tecnologia, as mídias sociais, fazer contato sem mobilização física. Veja os bancos: eles não saem mais abrindo agências por toda parte, fazem quase tudo online, para clientes do planeta inteiro.
Como veem a questão do financiamento de campanha?
Achamos que se você tem uma boa ideia e um bom produto, não precisa gastar um montão de dinheiro para “vendê-los” ao eleitor. Em 2008, o Fernando Gabeira, numa campanha modesta, quase boca a boca, perdeu por apenas 50 mil votos do Eduardo Paes na disputa pela Prefeitura do Rio. Daí a importância de se criar uma marca para o PN. Uma boa causa se vende por si. Fica bem mais barato.
Muitos partidos nascem cheios de boas intenções e quando crescem fica difícil controlar os egos, os conflitos. O PN vai ser diferente?
Há formas de minimizar isso. Nos estatutos do Novo criamos um item pelo qual quem é parte da diretoria não pode ter cargo eletivo. Ou seja, quem pensa o partido não atua na política diária. Nos partidos que estão aí, são justamente os cardeais que controlam os grandes cargos e os usam para obter o que desejam. Quem preside o PSDB? Um senador. Quem preside o PT? Um deputado. No Novo, quem negocia política diária não apitará nos debates sobre estratégias da legenda.
Mas política é conversa, é assumir compromissos. É o que deixa marcas e define a imagem da sigla, não?
Como disse antes, o que queremos é “fazer o certo”. Não pretendemos entrar nessa de negociar cargos nem de controlar o que for. Queremos as ideias orientando as ações. Nos fixamos em poucas coisas, centrais. Como essa de que já despejamos muito dinheiro nas mãos do Estado, e não adianta criar uma ONG pra ajudar isto ou aquilo. Tem uma lógica, e pode dar certo. Em vez de ONG, vamos direto ao Estado, fazer o que não foi feito.
Outros partidos, na história, têm sido fiéis a uma causa – PC do B, PSOL, PSTU, PV… – e são pequenos, sem grande peso na política. O PN vai mudar essa escrita?
Acho que sim. O que a experiência nos diz é que partidos que flexibilizam muito sua atuação não criam identidade com o eleitor. O Novo chega de fora, vai lutar para ser protagonista, sem entrar em coligações, tendo candidatos próprios.
FHC disse, recentemente, que finalmente há dois partidos com inovação, e citou Marina e vocês. O que achou?
Achei bom saber, o FHC acompanha política há muito tempo, tem uma visão equilibrada. É bom que nos tenha reconhecido como um projeto sério.
Que acha do Bolsa Família?
Não sou contra, ele tem coisas importantes. O custo é baixo em relação a outros programas, como o seguro-desemprego. Depois, o governo repassa o dinheiro e o cidadão pode fazer as compras na rede privada. Escolhe por sua conta o que gastar e onde. O que falhou é que deveria levar as pessoas a uma situação melhor e isso não aconteceu. Virou puro assistencialismo, um remédio. E o governo ainda bate bumbo e diz que, em vez de mil pessoas tomando o remédio, agora tem duas mil! Não faz sentido.