Parente, serpente

Parente, serpente

Sonia Racy

08 de março de 2014 | 01h06

Ricardo Teixeira (Foto: Sergio Moraes/Reuters)

Tudo indica que o culpado pelo aparente naufrágio da candidatura de Andrés Sanchez à presidência da CBF é… o próprio cartola. Consta que Ricardo Teixeira – cuja influência entre presidentes de federações ainda é imensa – preferiu tirar o time de campo quando Sanchez indicou Marco Antonio Teixeira para coordenar sua campanha.

Apesar de serem sobrinho e tio, os dois estão rompidos desde que o ex-presidente da confederação renunciou ao cargo e mudou-se para Miami.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.