Para ter futuro, PT precisa resolver o passado, diz estudioso

Sonia Racy

17 de setembro de 2017 | 01h20

RUDÁ RICCI

CIENTISTA POLÍTICO RUDÁ RICCI. FOTO: DIVULGAÇÃO

Com larga experiência no estudo da esquerda e da história do PT, o cientista político mineiro Rudá Ricci avaliou, para a coluna, o “tamanho do estrago” causado por Antonio Palocci a Lula e ao futuro do partido: “Menos do que diferenças entre líderes, o problema do PT é que, para avançar ao futuro, ele precisa prestar contas com o passado – mas resiste a fazê-lo”.

Na contramão dos dirigentes petistas, Ricci entende que a legenda, ao longo do tempo, “foi sendo engolida pelo lulismo e, quando este entrou em crise, junto com seu criador, ela se esvaziou”.

PT ‘repete Cuba e 
o peronismo’

Ricci vê repetir-se no PT de hoje um fenômeno ocorrido com o PC cubano. “Fidel e o castrismo eram muito maiores que o partido, e quando o grande chefe morreu este enfraqueceu e foi neutralizado pelo governo”. Algo parecido, segundo ele, ocorreu com o peronismo na Argentina. “Sem a força do grande líder, o que hoje vemos é um Justicialismo dividido em grupos e enfraquecido.”

2013, o reencontro
que não houve

Um grande erro, segundo Ricci, foi o PT não entender as manifestações de rua de 2013. “Aquela era uma oportunidade para o partido se reencontrar, entender o novo cenário e se reerguer. Mas ele não se deu conta disso, ficou vendo naqueles atos apenas uma ‘manobra de coxinhas’ e não soube aproveitá-la.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.